Estúdio 41 propõe a criação de hortas urbanas em espaços ociosos do centro de Curitiba, no Paraná

i478106

O Estúdio 41 apresentou na exposição “Arquitetura para Curitiba: Uma Mostra em Mutirão”, realizada no início do mês no Museu de Arte (MUSA) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o projeto de criação de hortas urbanas na região central da capital paranaense. A proposta é para espaços subutilizados, como terraços e estacionamentos, e ociosos, como edifícios abandonados e terrenos vazios.

O Estúdio 41 apresentou na exposição “Arquitetura para Curitiba: Uma Mostra em Mutirão”, realizada no início do mês no Museu de Arte (MUSA) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o projeto de criação de hortas urbanas na região central da capital paranaense. A proposta é para espaços subutilizados, como terraços e estacionamentos, e ociosos, como edifícios abandonados e terrenos vazios.

O Estúdio 41 apresentou na exposição “Arquitetura para Curitiba: Uma Mostra em Mutirão”, realizada no início do mês no Museu de Arte (MUSA) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), o projeto de criação de hortas urbanas na região central da capital paranaense. A proposta é para espaços subutilizados, como terraços e estacionamentos, e ociosos, como edifícios abandonados e terrenos vazios.

A primeira etapa do projeto contemplou um levantamento das áreas de interesse, que constatou que a região tem cerca de 40 mil m² de espaços subutilizados ou ociosos. O estudo desenvolvido pelos arquitetos em parceria com uma equipe de estudantes da UFPR, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) apontou que a região tem um potencial de cultivo que proviria 149 mil pessoas por ano, número quatro vezes mais que a população do centro da cidade.

O levantamento viabilizou a concepção de um projeto paisagístico que prevê o cultivo de diversas espécies de plantas e flores nas áreas de interesse, com o objetivo de requalificar a paisagem urbana.

O projeto integra ainda, de acordo com o escritório, “um posterior plano de ocupação dessas áreas por hortas que atenderiam as necessidades e condicionantes intrínsecos a cada lote, seja pela sua morfologia ou localização”.

Na mostra, também apresentaram propostas os escritórios paranaenses Aleph Zero, Arquea, Estúdio Coletivo, Grifo, LR Architecthe, N8 Studio, Realiza, Sabóia+Ruiz e Sharise Arquitetura. O convite se deu por uma chamada pública realizada através do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU-PR).

Fonte: Revista AU